• Andréa Bussab Paternost

Dia Mundial da Paz - 1º de Janeiro CULTURA DE PAZ


CULTURA DE PAZ

Ao estabelecer a MISSÃO, VISÃO e VALORES da ABP Advocacia Colaborativa, a PAZ sempre foi o foco principal. Todo nosso trabalho é pautado na construção ativa desse estado de Paz.

Mas, afinal, o que é Paz? O que devo fazer para sentir Paz? Por onde posso começar?

Seguem alguns passos iniciais para sua busca. Mas não se esqueça: segundo Mahatma Gandhi, “Não existe um Caminho para a Paz. A Paz é o Caminho.”


1) Tomada de consciência das Crenças, Valores e Paradigmas pessoais advindos da atual Cultura de Violência

O primeiro passo é compreender nossas próprias Crenças, Valores e Paradigmas, e entender que as mesmas podem ser derivadas da nossa CULTURA.

Nossa atual CULTURA é baseada em violência, guerra e competição, resolução de CONFLITOS de forma adversarial e litigiosa, de punição como vingança, de ganhos a qualquer custo, de dominação e hierarquia piramidal, de poder sobre o outro, de acumulação a todo custo, de exclusão e desigualdade social, da razão oprimindo as emoções humanas, de pouca afetividade, etc; ou seja, uma CULTURA que retroalimenta a própria violência, em um ciclo infindável, tornando endêmica a ausência de Paz nos corações humanos.

Se realmente desejamos PAZ em nossos corações e relacionamentos, precisamos urgentemente desconstruir nossas Crenças, Valores e Paradigmas baseados na CULTURA da Violência e transformá-las em Crenças, Valores e Paradigmas que construam a PAZ. Precisamos mudar nosso pano de fundo de resposta à vida. Essa mudança começa dentro de cada um de nós. Mas como fazer isso?


2) Compreender o aspecto dinâmico e ativo da PAZ e sua relação com os CONFLITOS da nossa vida

A PAZ não é somente a ausência de guerra. A PAZ está muito mais ligada à ausência das múltiplas expressões da violência (da violência direta – física e psicológica; da violência estrutural; e da violência cultural, sendo a guerra só a ponta do iceberg). Ou seja, a PAZ é a condição ativa de vida, uma construção constante, que permite aos CONFLITOS serem transformados de maneira criativa e não violenta.

Portanto, é no CONFLITO, inerente à toda relação humana, o “ponto de mutação” da CULTURA de Violência para a CULTURA DE PAZ, já que a forma como lidamos e gerimos os CONFLITOS na nossa vida (seja em que esfera for, pessoal, interpessoal, familiar, empresarial, institucional, comunitário ou internacional) refletirá nossas próprias Crenças, Valores e Paradigmas.

Por isso mesmo, pelos estudos contemporâneos da PAZ, não há razões para negativarmos os CONFLITOS com os quais nos deparamos na trajetória da vida, já que são eles os ambientes propícios da nossa Tomada de Consciência e transformação interna que, por sua vez, poderá refletir em transformação externa.

Portanto, a utilização consciente de cada CONFLITO que surge na nossa vida (esse desconforto que nasce dentro do peito e que vai aumentando se não gerirmos bem essa sensação e a questão que gerou o CONFLITO) se torna um aliado do processo pessoal de busca da PAZ.


3) Resposta ao CONFLITO com mecanismos pacíficos

O paradigma de resposta violenta e adversarial aos CONFLITOS precisa ser quebrado.

Para tanto, podemos aprender a gerir e enfrentar os CONFLITOS de forma pacífica (o que, de nenhuma forma, significa omissão ou passividade) através do diálogo e da escuta ativa, do respeito mútuo, do espírito de compreensão, cooperação e colaboração, da construção de consenso na resolução dos mesmos, de aplicação de práticas restaurativas, da sustentabilidade, da gestão circular e democrática, da redescoberta da generosidade e solidariedade, da inclusão social, da igualdade na diversidade, de uma razão que englobe as emoções e a afetividade, etc.

Assim, ao enfrentarmos um CONFLITO com a utilização de novos mecanismos de gestão e resolução baseados na CULTURA DE PAZ, estaremos nos treinando como agentes pacificadores e contribuindo, de forma significativa, na construção desse novo modelo de CULTURA de PAZ e NÃO-VIOLÊNCIA.

Assim nasceram a MISSÃO e a VISÃO da ABP Advocacia Colaborativa. A MISSÃO é contribuir para a Construção da CULTURA DE PAZ, e a VISÃO é ser referência por excelência, na aplicação de métodos extrajudiciais e consensuais de resolução de CONFLITOS. Todos pautados em VALORES da CULTURA DE PAZ.





Que em 2018, possamos percorrer caminhos de PAZ, gerindo de forma consciente e pacífica todos os nossos CONFLITOS, construindo de forma consciente os alicerces de uma nova Cultura, de Paz e Não-Violência. Feliz 2018!

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo